Após denúncia do Ministério Público e mobilização de setores organizados da sociedade vinhedense a respeito do esquema de Títulos Eleitorais fraudados, finalmente, deve ocorrer o recadastramento biométrico em Vinhedo.

Com isso, todos os eleitores serão chamados para cadastrar suas impressões digitais para daí sim ter o Título de Eleitor.

Esta é uma batalha que o PT, PSOL e PDT (partidos da coligação Vinhedo Pode Mais) – na época também o PP – começou com o movimento “Eleições Limpas”, que teve o objetivo de reivindicar junto à Justiça Eleitoral o recenseamento e recadastramento do eleitorado vinhedense.

Agora, será feita uma ‘limpeza’ dos Títulos que, curiosamente, só aparecem para votar nas eleições municipais. Nos últimos meses, esse tema foi tratado em vários espaços da cidade, incluindo a internet.

Depois de uma semana das eleições, começou a tramitar na Câmara Municipal projeto de iniciativa do Poder Executivo que pede autorização para fazer convênio com o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) para que seja feito o recadastramento biométrico de todo o eleitorado.

Seria muito importante que este recadastramento dos Títulos tivesse acontecido antes da eleição deste ano já que durante a campanha muitos cidadãos alertaram para o fato de que essa situação deixava o processo eleitoral sob suspeita.

De qualquer forma é uma grande vitória para a democracia e uma derrota para aqueles que querem fraudar as eleições.

Histórico da luta por “Eleições Limpas

Em julho de 2011, o Ministério Público descobriu um esquema de fraude de títulos eleitorais em Vinhedo. Naquele momento, a população vinhedense tinha 63.611 eleitores e a cidade contabilizava 50.322 Títulos, o equivalente a 79%. A Justiça Eleitoral considera normal no máximo 65%.

O Ministério Público identificou que existiam endereços onde estavam cadastrados dezenas de eleitores que não foram encontrados. Identificou também que uma parcela importante do eleitorado só votava em eleições municipais e não em eleições para governador, presidente, senador e deputado.

Além de endereços que serviam para burlar a lei, foi identificado problemas com assinaturas e cadastros de eleitores. Por amostragem, estima-se que ao menos 10% do eleitorado é “fantasma”. Uma parte desse problema foi solucionada no início de 2012.

Para isso, aconteceram várias reuniões, chamadas pelo PT, PSOL, PDT e também o PP na época, com lideranças políticas e partidárias e ao final foi produzido um documento assinado por 16 dos 29 partidos da cidade. Esse documento foi protocolado no Tribunal Regional Eleitoral, em setembro de 2011.

Na oportunidade, o Presidente do Tribunal, Dr. Walter de Almeida Guilherme, concordou que a estatística do eleitorado em Vinhedo era absurda e se comprometeu a tomar providências.

No início de 2012, foi determina uma Correição Eleitoral em uma amostragem dos Títulos. 2586 foram analisados (equivalente a 1,1% do eleitorado à época) e desses, 579 cancelados. Ou seja, 22% dos títulos verificados tinham problema, confirmando que, de fato, uma parte era fraudada.